Esperanza em Belém – Acompanhe o 2° dia de visitações

O calor de Belém trouxe mais gás e energia para os voluntários e voluntárias que estão na missão de fazer o Open Boat acontecer. Logo cedo, ainda antes do início de visitação, já era possível ver que o dia seria intenso e com muitas pessoas curiosas em conhecer o navio Esperanza.

Abrimos o dia com uma roda de conversa com a nadadora Joanna Maranhão, que é uma apoiadora antiga do Greenpeace e com a Maya Gabeira, surfista profissional, que está somando com a gente pela defesa dos Corais. O papo sobre ativismo ajudou a desmistificar a importância dos diferentes tipos de voluntariado, reforçando que o ativismo acontece de diferentes formas.

Visitações iniciadas: muitas pessoas, e muito interesse no trabalho do Greenpeace. Passaram na tenda do Greenwire diferentes tipos de pessoas e uma delas, o Lowe Marcos, que é um doador desde 2001. Ele entrou para a Organização com o desejo de mudar o mundo em que vivemos. “Na época não existiam tantas ONGs que defendiam o meio ambiente e vi no Greenpeace uma oportunidade de ajudar a conservar e lutar pelo planeta. E hoje, ao sair do navio, resolvi me tornar um voluntário justamente por esse motivo. Estou aqui me inscrevendo no grupo de voluntários para poder conversar com as pessoas e continuar a mensagem.”

Além de Lowe,  outras pessoas também resolveram conhecer mais sobre o trabalho voluntário. Entre elas, a estudante de ensino médio Samia Maria, que pretende fazer uma faculdade que a possibilite a levar a causa ambiental adiante. “Sempre tive preocupação com o meio ambiente e se tivesse as informações que tive hoje, sobre o trabalho voluntário, já teria feito parte há muito tempo”.  

Sua amiga Julia Hassegawa, que já era engajada com as causas ambientais, está cursando biologia e também se surpreendeu com as informações sobre o voluntariado. “Costumava acompanhar o Greenpeace pela internet, assinando as petições e compartilhando no Facebook. Queria ser voluntária aos 18 anos, mas não sabia como era desenvolvido o trabalho voluntário no Brasil. Quero fazer parte das ações, ajudar na limpeza dos mangues e qualquer outra atividade que contribua por um mundo melhor”.

Outra pessoa que passou pelo Greenwire, foi a nadadora Joanna Maranhão, que deixou um recado para os voluntários do Greenpeace:

Muito obrigado a todEs que participaram desse momento tão especial!